Endereço: Rua Pamplona, n°145, cj.704 , Jardim Paulista,

Fale Conosco: (11) 3214-2953

(11) 94941-8374

A COVID-19 pode realmente causar perda de memória?


Desde dezembro de 2019, um novo coronavírus, Síndrome Respiratória Aguda Grave Coronavírus 2 (SARS-CoV-2), surgiu em Wuhan, província de Hubei, China. Com avançar das pesquisas foram sendo observadas suas características epidemiológicas e clínicas e, inclusive o seu impacto neurológico, em pacientes recuperados. 

Aproximadamente 85% dos pacientes estudados tinham pelo menos quatro sintomas neurológicos - os mais comuns eram confusão mental, dores de cabeça e dormência ou formigamento. Outros sintomas comuns incluem perda de paladar e/ou olfato, visão turva, tontura e zumbido nos ouvidos. Graham e colaboradores (2021) observaram que muitos dos pacientes descreveram esses sintomas como idas e vindas, e a maioria relatou que seus sintomas duraram vários meses - alguns por até nove meses  

Outra queixa frequente em pacientes recuperados após duas a três semanas da infecção com a COVID-19 são as alterações cognitivas. Para avaliar o funcionamento cognitivo a Avaliação Neuropsicológica online foi realizada para minimizar o contato entre a equipe de saúde e os pacientes com COVID-19 (Zhou et.al, 2020). Os testes avaliaram atenção, memória, funcionamento executivo, velocidade de processamento da informação, processamento visuoespacial e função psicomotora. 

Os principais achados sobre a cognição foram que os pacientes com COVID-19 exibiram disfunção cognitiva no domínio de atenção sustentada. “Sabemos que a atenção é o primeiro estágio para uma boa memorização de informações recém aprendidas, diz a neuropsicóloga Dra. Gislaine Gil. Logo, se a pessoa não consegue ficar por um longo período de tempo atenta ao que está sendo dito, a informação não entra no cérebro e, consequentemente, não é evocada após a passagem do tempo, pois nem ao menos foi codificada, acrescenta a Dra. Gislaine Gil.  

E a longo prazo, será que essas alterações permanecem? 

“É o que devemos acompanhar, através de estudos longitudinais bem desenhados na área de cognição para avaliar a influência a longo prazo da infecção por SARS-CoV-2 na função cognitiva”, diz a neuropsicóloga.  

Referências Bibliográficas:

Zhou Hetong, et.al. The landscape of cognitive function in recovered COVID-19 patients. Journal of Psychiatric Research 129 (2020) 98–102.

Graham, E.L. et al. Persistent neurologic symptoms and cognitive dysfunction in non?hospitalized Covid?19 "long haulers", Annals of Clinical and Translational Neurology (2021).

Sobre o Check-up da Memória acesse: http://www.vigilantesdamemoria.com.br/diagnostico


Credito para a imagem: National Institute of Allergy and Infectious Diseases, NIH.