Endereço: Rua Pamplona, n°145, cj.704 , Jardim Paulista,

Fale Conosco: (11) 3214-2953

(11) 94941-8374

Como ficará a nossa memória após a pandemia?

Nossas memórias nos tornam quem somos, dirigindo nossos comportamentos e ditando como vemos o mundo. Uma das coisas mais interessantes sobre a memória é sua imperfeição. Em vez de servir como um registro preciso de eventos passados, nossas memórias são mais como reflexos inventados, filtrados e destilados da realidade pura em uma mistura pessoal que é formulada por nossas próprias fisiologias e experiências emocionais únicas. O universo totalmente único que cada um de nós cria - separado, mas ainda ligado ao universo real - é o produto de sinais elétricos que passam pelo pedaço de carne gordurosa dentro de nossos crânios. 

Em animais de laboratório, esses cientistas podem forçar a evocação de memórias com o toque de um botão molecular, implantar memórias falsas e corroer uma memória real a ponto de desaparecer. Por meio desses estudos e de outros, talvez a ciência um dia caracterize de forma robusta as porcas e parafusos biológicos da memória. Mas será que algum dia compreenderemos verdadeiramente, e talvez manipularemos diretamente, a realidade pessoal criada pelo cérebro de cada indivíduo?

O que mais me assusta neste momento da história mundial é como a pandemia COVID-19 viverá na memória das pessoas afetadas por ela. A fragmentação da atual situação global ditará nossa familiaridade individual com a devastação do SARS-CoV-2. Alguns permanecerão praticamente ilesos pela doença, muitos sentirão o aperto econômico do bloqueio social, muitos também perderão amigos ou entes queridos para o vírus, outros sucumbirão eles próprios. Ninguém sairá inalterado. 

As lembranças vividas pelos sobreviventes refletirão a gama de experiências individuais. Para muitos, as memórias traumáticas da pandemia - sejam doenças causadas pelo vírus ou qualquer uma das dificuldades que vêm com o isolamento social e a crise econômica global - se tornarão hóspedes indesejados, interferindo na vida diária. No extremo oposto do espectro, com um pouco de sorte, muitos jovens que vivem essa realidade vão se lembrar desse período de suas vidas com uma perplexidade nebulosa. “Lembra quando éramos crianças e tínhamos que ficar em casa sem ir à escola com mamãe e papai por meses a fio?” Mais uma vez, a montanha de memórias que se acumularão nesta época complicada não registrará fielmente os eventos que agora se desenrolam. Em vez disso, eles formarão reproduções borradas das dificuldades com as quais todos estamos lutando. 

Nos próximos meses e anos, aqueles de nós que sobreviverem a esse episódio voltarão a convocar os profissionais de saúde e cientistas para nos resgatar dos efeitos mentais e físicos posteriores da pandemia. Em um futuro previsível, o mundo precisará da ciência e da medicina mais do que nunca na história recente. E precisaremos de humanidade em igual medida. Não importa a aparência de nossas memórias desta época!


Interessado sobre as causas da perda de memória? Acesse:

http://www.vigilantesdamemoria.com.br/blog/as-diferentes-causas-de-perda-de-memoria-e-o-check-up-da-memoria-por-telemedicina


Referência Bibliográfica

Grant, Bob. Memory in a Time of Quarantine: How will humanity record the unprecedented predicament we find ourselves in? The Scientist, May 1, 2020.