Endereço: Rua Pamplona, n°145, cj.704 , Jardim Paulista,

Fale Conosco: (11) 3214-2953

(11) 94941-8374

BLOG LEMBRE E RELEMBRE

É normal perder urina com o processo de envelhecimento?

Uma pessoa saudável produz entre mil e dois mil ml de urina por dia. Em média, uma pessoa urina de quatro a sete vezes ao dia, com intervalo de cerca de duas horas entre elas. À noite, a frequência do ato de urinar varia de pessoa para pessoa. Há indivíduos que não urinam durante toda a noite como também os que interrompem o sono uma ou duas vezes para irem ao toalete.

Incontinência Urinária é caracterizada por qualquer perda involuntária de urina que gera um problema social e/ou higiênico. Este problema mundial acomete cerca de 230 milhões de pessoas em todo o mundo.

Com o processo de envelhecimento nosso organismo passa por declínios normais, que realmente são esperados nesta idade. Segundo a fisioterapeuta especialista em Gerontologia, Jéssica Maria Ribeiro Bacha, muitos idosos acreditam ser “normal” perder urina. NÃO! Este tabu precisa urgentemente ser quebrado e esclarecido. Não é “normal” ninguém que passe por um processo de envelhecimento fisiológico ter escape de urina.

É importantíssimo destacarmos que existem tratamentos não cirúrgicos para este problema que incomoda muitas pessoas, principalmente os idosos. Vamos destacar neste post algumas técnicas que o profissional de fisioterapia pode aplicar em indivíduos que perdem urina:

- Reeducação comportamental: O restabelecimento de um ritmo miccional mais frequente, inicialmente de hora em hora, seguido de aumento progressivo desse intervalo, pode ser de grande valia no tratamento;

- Exercício do Kegel: Técnica por meio de posturas específicas;

- Exercícios perineais: exercícios direcionados para musculatura pélvica;

- Cones vaginais: são cápsulas de formato anatômico, constituídas de materiais resistentes e pesados que, ao serem inseridos no canal vaginal, proporcionam o estímulo necessário para que a mulher contraia corretamente a musculatura do assoalho pélvico.

- Biofeedback: Aparelho de retro controle biológico que informa ao indivíduo, por meio de sinais visuais ou sonoros, qual músculo ou grupo muscular é utilizado em cada exercício;

- Realidade Virtual: tem o objetivo de aumentar a adesão das pacientes ao tratamento de forma lúdica e não invasiva, promovendo a capacidade de contração dos músculos do assoalho pélvico durante o uso desta técnica.

Se você sofre este desconforto, não hesite em procurar um profissional que aborde essa área, como: fisioterapeutas, médicos e  psicólogos.


Saiba ainda: Como realizar exercícios respiratórios e diminuir a ansiedade.


Autora: Jéssica Maria Ribeiro Bacha

- Mestre e Doutoranda em Ciências pela Faculdade de Medicina da USP;

- Especialista em Gerontologia pelo Instituto Israelita Albert Einstein;

- Membro da Sociedade Brasileira de Gerontotecnologia;

- Membro da Associação Brasileira Fisioterapia Gerontológica;

- Membro do Laboratório de estudo em tecnologia, funcionalidade e envelhecimento da Universidade de São Paulo (LETEFE);

- Docente da pós graduação em Gerontologia e Empreendedorismo do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês.


Referências bibliográficas:

-Studenski , Tinetti ME et al. Geriatric Syndromes: Clinical, Research, and Policy Implications of a Core Geriatric Concept. J Am Geriatr Soc, 2007;1:100-7 -Fong JH, Feng J. Patterns of Functional Disability in the Oldest Adults in China. J Am Geriatr Soc. 2016 Aug 18. doi: 10.1111/jgs.14264. 

-Melville JLetal. Urinary incontinence in US women. A rchIntern Med 2005;165:53 7 –42. 

-The American Geriatrics Society 2012 Beers Criteria Update Expert Panel. American Geriatrics Society updated Beers Criteria for potentially inappropriate medication use in older adults. J Am Geriatr Soc 2012;60:616-31.

-Cook K , et al. Urinary incontinence in the older adult. PSAP, 2013;3:3-20.

-Johnson TM II, Ouslander JG. Incontinence. In: Halter JB, Ouslander JG, Tinetti ME, et al., eds. Hazzard’sGeriatric Medicine and Gerontology, 6th ed. New York: McGraw-Hill, 2009.

-Reis R, Martins A, Paschoalin E, Tucci Jr S, Suaid J. Incontinência urinária no idoso. Acta Cir. Bras.2003;18(5): 47-51. -Lucas MG, Bosch RJ, Burkhard FC, et al. EAU guidelines on assessment and nonsurgical management of urinary incontinence. Eur Urol 2012;62:1130-42.